Rinha de lesmas e espetinho de gelo no terreiro de Nhô Ambrósio

Ontem, o médium cinematográfico Rogério de Moura, que me incorpora, reclamou da extensa duração do nosso último período de incorporação. Geralmente, costuma durar algumas horas e, confesso que exagerei. Foram quatro dias de incorporação, sem que o pobre do Rogério pudesse fazer alguma coisa.

Mas justifiquei: fui visitar algumas entidades nas aldeias Quilombolas do Vale do Ribeira. O Rogério continuou reclamando e eu, num rompante de inteligência mediúnica, consegui inverter a situação. Disse a ele: "Rogério, se for incorporar, não beba!". E o Rogério sem ter o que dizer, veio com essa: "Foram só duas doses... Tá bom, tá bom... três... Ok! Ok! Foram quatro... Mas eram de um alambique de Minas Gerais. Não tinha como resistir." Era para levar uma bronca e saí por cima.

No Vale do Ribeira, no terreiro de Nhô Ambrósio, pude encontrar várias entidades festejando. O festejo teve início com uma missa afro ao ar livre e seguiu com  muito jongo, dança, cantos, capoeira de Angola, Maculelê e samba de roda. Também houve outros encontros musicais. Como, por exemplo, o dueto entre Jackson do Pandeiro e Pixinguinha. Confesso que essa foi uma das mais inventivas parcerias que pude ver no mundo extra-corpóreo. 

Outro dueto igualmente fascinante: Pavarotti com Lou Rawls. Low Rawls foi um cantor pop que, nos anos 1970, estourou nas paradas de sucesso com "You'll Never Find Another Love Like Mine", "Let Me Be Good To You", "I'll See You When I Get There" e "Lady Love". Outro dueto maravilhoso envolveu Clementina de Jesus e Tim Maia. Os dois cantores quase discutiram. Tim Maia reclamava do retorno e a  rainha Quelé perdeu a paciência: "Ô, gorducho, esse negócio de ficar pedindo retorno é viadagem!"

O Glauber Rocha discutia nacionalismo com o Monteiro Lobato. Lima Barreto e Machado de Assis riam da discussão e do fato de, nem no além, o Glauber conseguir pentear o cabelo.

No entanto, as entidades presentes não representavam apenas a área artístico-mundana. Também haviam representantes da área político-mundana. Os irmãos Kennedy gargalhavam com Lee Oswald. Como isso foi possível? No além, descobriram o verdadeiro assassino. O Juscelino Kubitschek, com seu inconfundível sorriso, conversava com o Jânio Quadros, que tomava toda a cachaça do despacho. Todos se entretiam com uma calorosa discussão sobre Direita versus Esquerda. Nesse momento, duas entidades surgiram. Eram as próprias Direita e Esquerda. Afinal, ambas já estão mortas há um bom tempo.

O Hitler também apareceu por lá, mas todos se uniram para exorcizá-lo e ele voltou para o inferno, junto com Stalin, que tentava entrar de penetra. Foi preciso fazer um belo descarrego depois, porque ficaram mais negativas que o saldo bancário do Rogério.

Havia também algumas entidades nem tão famosas. O mais interessante de tudo foi que algumas se divertiam apostando numa rinha de lesmas. Rinha de cães e galos são proibidas por lei. Mas isso não se aplica às lesmas. Consiste em colocar duas lesmas numa espécie de mini-coliseu.  Imediatamente, uma lesma avança sobre a outra e começa a batalha. Está longe de ser uma batalha sangrenta. Mas que é gosmenta, isso não se discute.

As apostas rolavam soltas. Até o Castor de Andrade surgiu para vibrar, diante de cada golpe desferido pela lesma na qual ele apostou. O grande segredo de se apostar em rinhas de lesmas é, obviamente, ter muita paciência.

Às vezes, leva-se um dia inteiro para o término de uma peleja. Quase que houve confusão, pois o Saci Pererê resolveu salpicar de sal seu espetinho de capivara, bem ao lado do ringue.

Concordo que rinha de lesmas podem ser um negócio muito estranho. Mas, os festejos envolviam coisas mais estranhas. Pelo menos para o mundo carnal. Por exemplo, o espetinho de gelo que Nhô Ambrósio servia aos convidados. Nhô Ambrósio até que conseguia assar os espetinhos de gelo. O grande problema era, depois, passar na farinha.

Axé!









Quilombo, Quilombola, Festejos, cineasta negro, cinema negro, africanidade

2 comentários:

  1. Estas incorporações são ótimas, Rogério. Me divirto e ainda dou um passeio histório-lúdico bem gostoso. abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Caro Cacá, vem mais loucuras por aí. O Jovem Preto Velho vai começar a entrevistar personalidades-entidades que já partiram desta pra melhor.

    ResponderExcluir